Dias / três

É do Harold Pinter que eu gosto mais, sabes?, ela disse. Fala de mim um bocadinho — também gosto do jeito que tu escreves.

*

A viagem é um efeito Doppler: alastra-se. Início, difuso; fim, incerto. Quantas vezes não precisei de prolongados distanciamentos à guisa de digerir metrópole alienígena?

*

Fotografia
escrever —
à luz.

*

Niterói é uma cidadela nostálgica, casa das férias, da meninice. Lembranças que ficaram muito para trás no passado. Niterói nunca foi minha, sempre foi dos meus pais, do meu irmão mais velho. Ela não se incomoda, recebe-me com carinho, acolhe-me com esmero. Niterói por vezes é ausência, é saudade, que dói, destrói, corrói. Niterói.

*

E só havia mais uma pessoa no Icaraí Café — ela. De manhãzinha, passeio no Campo de São Bento; fiquei um bocado parado ao sol, a pensar em qualquer coisa, ao que minha pele possui agora aquele curioso tom vermelho-molho-de-tomate-aguado. Ela olhou para a chávena de café, e depois para mim, daí olhei para ela, e ela olhou para a chávena de café, e assim por diante. Não nos movemos. Apenas olhos, chávenas de café, vermelho-molho-de-tomate. Até que os passos afastaram-se, e então silêncio. Como se ela nunca lá tivesse estado.

*

Daqui às vezes ouve-se o Atlântico. Mas é precisa muita atenção, porque ondas preguiçosas:

Ao mar
os rapazes
esperam
as moças
esperarem
as senhoras
e os senhores
à espera
da velhice
passar.


Texto e fotografia: P. R. Cunha (instagram.com/pierre_cunha)

«Un descubrimiento genial, mágico, surrealista. Encuentros que te hacen continuar.»

Quando Conserva de Aspargo e Garrafa de Leite atravessam o Atlântico — y encuentran un corazón gallego

Por el hueco de la escalera

Es un honor, un placer y un privilegio compartir con todxs vosotrxs a un genio de las letras, un colega excepcional: P. R. Cunha

Tuvo la osadía absurda (maravillosa) de dedicarme tamaña pieza teatral que degusté y con la que me reí muchísimo.

Copio y pego:

Esta peça teatral foi escrita à tardinha em 28 de março de 2018, ao Clandestino Café e Música — é dedicada à artista espanholaMarina López Fernández(inconstancias tropicales, locuras del otro lado del mar: «Bienvenida a mi mente»).

Ambiente habitual que precede ao espetáculo de teatro. Murmurinhos na sala. Os funcionários do teatro deverão fechar as portas do teatro pontualmente às 20h32 (vinte horas e trinta e dois minutos [horário de Brasília {UTC–3}]). Depois, uma funcionária do teatro pressionará botão vermelho ao lado da porta do teatro: soará assim a campainha que anuncia o início do espetáculo de teatro. Os espectadores…

View original post mais 1.663 palavras

Frederico Hofmannsthal fala sobre a peça «Acumuladores» de P. R. Cunha

Há na peça Acumuladores do brasileiro P. R. Cunha uma clara tentativa de transformar em risível tudo aquilo que costuma atormentar a vida do animal humano. Aliás, característica perceptível em boa parte da produção literária deste jovem autor ainda desconhecido em terras portuguesas: colocar o dedo na ferida, expor as ilusões contemporâneas, tirar o indivíduo — principalmente aquele que se diz artista — da zona de conforto, abraçar a frieza do mundo, das pessoas que a cada dia se transformam mais e mais em bonecos, o homem que degusta a vida, e logo perde tudo, inclusive a própria vida, porque adquiriu muitas dívidas, não deu conta, bala na cabeça etc. A convicção de que tudo é perda de tempo. Acumuladores, cuja estreia em casas lisboetas deve se dar no segundo semestre deste dois mil e dezoito, é uma antologia de fracassos e resgata a figura da mesa à moda teatro do absurdo — se é que ainda se utilizam de tais termos. A mesa-epicentro, ao redor da qual as grandes decisões da humanidade são levadas a cabo. Mas aqui um objeto cenográfico, quase um detalhe. Personagem Filho Sonhador está sentado à mesa e toma notas a respeito de um qualquer romance alemão do século dezanove e a Mãe Rancorosa não compreende a paixão do rapaz pela literatura:

MÃE RANCOROSA
O que está aí a fazer

FILHO SONHADOR
Estou a acumular

MÃE RANCOROSA
A acumular
Vocês jovens
só servem para isso

FILHO SONHADOR
Para acumular

MÃE RANCOROSA
E não sabem que
quando morrer
tudo se perde
não fica uma
vírgula
acumular

FILHO SONHADOR
Sim
acumular

Percebe-se ligeiro que ali ao palco vai um drama em família — por vezes familiar — em que o menino ingênuo precisa resistir ao ímpeto destrutivo da mãe que envelhecera, que há muito notara que nada fez de bom para si e muito menos para os outros. Mãe Rancorosa que sente inveja dos anos que Filho Sonhador ainda tem pela frente:

MÃE RANCOROSA
Não dura muito viu
estes momentinhos de
perder-se
de literatura
logo vêm as tragédias

FILHO SONHADOR
Vêm pois eu sei
que vêm

MÃE RANCOROSA
(levanta a mão para o filho)
Não sabe de nada
moleque
ainda é moleque

Mãe Rancorosa, Filho Sonhador e o (anti)herói da peça a quem P. R. Cunha chama de Pai Tirano. Personagens fracassados ou que em breve fracassarão, porque a angústia, se calhar, é mesmo o fim habitual. Não importa o tanto que se acumule. Como na cena em que Pai Tirano tenta mostrar para Filho Sonhador que não adianta esforçar-se. Tudo termina em trevas:

PAI TIRANO
Se já hoje discutimos a relevância
do motorista para a sociedade
porque logo todos os automóveis
serão dirigidos por robôs
então precisamos também
discutir a relevância da chamada
classe escritora
Quando percebemos que toda a gente
se transforma em máquina a passos largos
e as máquinas como sabemos
só pensam em trabalhar
não pensam em literatura
E você aí
sentado à mesa
acredita que acumula letras
mas em boa verdade
e isso lhe digo porque sou pai
você acumula
dores

Bonito jogo de palavras. E pertinente discussão sobre a relevância da literatura numa sociedade que aponta os telemóveis para todo o canto, passa horas em maratonas Netflix. Então acompanhamos a angústia de Filho Sonhador à medida que ele percebe que realmente não faz sentido acumular tantas palavras, porque os escritores de livros são negligenciados, ninguém dá a mínima para eles:

FILHO SONHADOR
A vovó lia
achava bonitinho
é bonitinho o que você escreve
a vovó dizia
mas a vovó já não está
a vovó se foi
e eu agora a me sentir
como um professor de latim
que sabe ensinar
uma língua morta

P. R. Cunha tenta revelar (e lidar com) a realidade dos fatos. E sai-se do teatro a reflectir um bocadinho sobre o que estamos a fazer com as nossas letras. Pois que as máquinas não querem lá saber de literatura. As máquinas trabalham. As máquinas. As nossas ruínas. Enquanto isso, acumulamos.