Quatro haikus / exercícios de quarta-feira para não atrofiar o cérebro (manhã, 8:53)

I.

Barulho-do-ventilador-ruído-branco.

com medo da memória
esquece —
de si mesmo

 

II.

lia deitado
preparando-se
para a morte

 

III.

Como oferta para alguém que sofre de nostalgia.

saudades
daquele tempo
que nunca viverei


IV.

as árvores
cantam —
triste melodia

 

— P. R. Cunha

Deixemos o sr. Hampton descansar em paz junto aos amigos de papel

Durante mais de quatro décadas o sr. Hampton dedicara-se à literatura, como se diz, com afinco. Lia cinquenta, sessenta, às vezes noventa livros por ano. Portanto, não é difícil de perceber que a vida social do sr. Hampton — isto é: estar com outras pessoas algures — sofrera danos irreparáveis por conta dessa predileção por personagens feitos de tinta e celulose. O mecanismo de autodefesa desenvolvido pelo velho Hampton consistia em explicar que, quando abria uma obra literária, viajava ao longe, nunca estava só. E que a única diferença, ele dizia, a única diferença entre o turista livresco e o turista que pavoneia noutros cantos da esfera terrestre é que este corre riscos desnecessários, enquanto aquele escapa sem sair do lugar. Para o sr. Hampton, trancar-se, ler e libertar-se durante o processo era um subterfúgio contra os absurdos da realidade como qualquer outro. Se estamos lá fora — ele escrevera certa vez para um dos sobrinhos —, estamos sempre à mercê da violência, do machismo, do genocídio, do racismo, da tristeza, da dor, da estupidez e ainda podemos levar uma bala no pulmão a qualquer instante. Nenhum ser humano, ele acrescenta ainda, tem condições de encarar essa bagunça toda por muito tempo. Daí cada um criar o próprio esconderijo fantástico, desenvolver rotinas estabilizadas. Há quem prefira mergulhar nas séries detetivescas, outros vão ao cinema a cada dois dias, outros tantos assistem às novelas, ao futebol, fuxicam as crises existenciais dos famosos, empanturram-se de remédios tarja preta, consomem drogas pesadas e assim por diante. Basicamente, resumia o sr. Hampton, andamos por aí afora a viver várias coisas, menos a bendita da realidade.

— P. R. Cunha