Quarta nota #7 — vende-se

Caminhada na floresta
o cheiro da relva
sinistro presságio.

§ Se o propósito da vida humana for mesmo a tal busca da felicidade, acúmulos de experiências alhures, receber reconhecimento enquanto ainda se está vivo… então, dedicar-se à atividade literária a tempo inteiro é provavelmente a aposta mais absurda, mais incrível, mais gratificante, mais perturbadora e mais contraditória que tu poderias fazer.

§ Fulano escreveu um livro muito bonito, cujas linhas ninguém entendera. Só foram compreendê-las duzentos e cinquenta e cinco anos depois; quando Fulano há muito já servira de banquete às minhocas.

§ Ainda assim, Fulano permanece horas a devorar o Beckett, o Adorno, o Jünger, o Genet e outros. Depois, anota a respeito do Beckett, do Adorno, do Jünger, do Genet…

§ O perigo de se lidar com o absurdo diariamente: o absurdo se torna hábito, o absurdo cria moradas, o absurdo fica. Entra-se num ciclo em que sentes sempre um abismo.

§ Elefante na biblioteca: a literatura e todos as possibilidades criadas por ela não passam de commodities, mercadorias (Leandro compra livros, Marta os vende — livros custam dinheiros). Vamos às lojas adquirir esses trocinhos de papel, pagamos por eles. A dinâmica é bem esta: há um produto, as pessoas perdem o interesse pelo produto, o produto começa a desaparecer.

§ «As editoras já vêm diminuindo o número de livros lançados, deixando autores de venda mais lenta fora de seus planos imediatos, demitindo funcionários em todas as áreas. […] Aos que, como eu, têm no afeto aos livros sua razão de viver, peço que espalhem mensagens; que espalhem o desejo de comprar livros neste final de ano, livros dos seus autores preferidos, de novos escritores que queiram descobrir, livros comprados em livrarias que sobrevivem heroicamente à crise» — trecho da carta aos leitores escrita por Luiz Schwarcz, editor da Companhia das Letras.

§ Livraria Saraiva pede recuperação judicial para reestruturar dívida de R$ 675 milhões. O pedido foi aceito. A empresa agora precisa de apresentar um plano econômico viável nos próximos sessenta dias.

— P. R. Cunha

E observa como é que as pessoas reagem a isso

Diz-se que numa tarde muito chuvosa um escritor de Brasília, que vivera muitos anos em Brasília, mas que, é preciso que se esclareça tudo aos mínimos detalhes, nascera em Niterói, de forma que talvez fosse melhor escrever escritor de Niterói que vive há muito em Brasília, ao invés de escritor de Brasília, que vivera muitos anos em Brasília mas que nascera em Niterói, esta introdução por certo grande demais, e que pode aborrecer e leitores — porque palavras desnecessárias — e as gentes da editora — porque gasto desnecessário de tinta tipográfica. Então diz-se que numa tarde muito chuvosa esse escritor niteroiense que foi viver para a capital federal, esse escritor muito distraído consigo mesmo escorregara e batera a cabeça num hidrante que, segundo o Correio Braziliense, era de cor amarela. E que após esse acidente que quase lhe tirou a vida, por muito pouco mesmo não o matara, o escritor que antes só escrevia no bom e velho português passara a criar as próprias narrativas no idioma russo — língua materna do bisavô, mas à qual nunca havia se dedicado. Tudo fica ainda mais estranho quando se descobre que esse escritor de Niterói e que se considera um pouco brasiliense porque vive em Brasília há trinta e dois anos, muitas vezes, inclusive, a se sentir mais brasiliense do que niteroiense, mas não estou aqui para ladainhas, tudo fica mais estranho quando se descobre que ele nunca fora publicado pelas casas editoras brasileiras quando lá escrevia em português. Porém, assim que terminou o primeiro livro em cirílico, resolveu enviá-lo para três editoras russas (duas em São Petersburgo e uma em Moscou). As três demonstraram interesse em publicá-lo. Tudo isto é muito curioso.

— P. R. Cunha