Bonifácio — esquete

À esquerda, uma estante com pratos e outros utensílios de cozinha. Ao centro, mesa com um abajur retrô em cima. Quadros estranhos grudados na parede. O rádio toca uma qualquer sinfonia de Mozart. Bonifácio, a filha e o filho tomam o café da manhã.

BONIFÁCIO
Pois que durante toda a
minha infância e
durante toda a minha
adolescência
Durante
portanto
toda a minha juventude
eu cá só comi Froot Loops
com leite
(a filha e o filho mastigam Froot Loops)
Ou melhor
tomei o Froot Loops
com leite
que como toda a gente
sabe muito bem
é a única forma correta
e saudável de se ingerir o
Froot Loops
Com leite
Enquanto vocês comem o
Froot Loops mastigam
Froot Loops sem leite
(o filho mastiga Froot Loops, a filha leva o suco de laranja aos lábios)
Sim
Dois monstrinhos comendo
Froot Loops
Quando sabem muito bem
que só se aproveita o Froot Loops
se Froot Loops acompanhado
de leite
Froot Loops seco
assim como vocês comem
(filho mastiga Froot Loops)
não pode
é terrível
Isso vai matá-los
escutem o que lhes digo
Froot Loops sem leite
e é por isso que eu cá
sou um dramaturgo genial
incrível
que já recebera vários prêmios
(filha mastiga Froot Loops)
Froot Loops com leite
Hoje mesmo se ainda sinto
vontade de comer Froot Loops
sempre com leite
Vocês
sem leite
Então eu sou um dramaturgo
realmente excepcional
E vocês naturalmente
não são nada a não ser
filhos de um dramaturgo
excepcional
Basta ler nos noticiários
(filha mastiga Froot Loops)
Dramaturgo excepcional
que peças maravilhosas escreve
este dramaturgo excepcional
Pai de vocês
Froot Loops com leite
compreendem
(filho e filha mastigam Froot Loops)
É o leite o segredo
mas vocês desdenham do leite
acham que podem sem o leite
por isso fracassam
em tudo
(filha mastiga Froot Loops, filho parece satisfeito de modo que não mastiga mais Froot Loops)
São estúpidos
O que de fato os salva
por vezes me pergunto
o quê
ser filho de um dramaturgo
premiado, admirado
(filho e filha tomam suco de laranja)
Tivessem ao menos feito
como fez o irmão
de vocês
Aquele sim
tomava o Froot Loops
com leite
Aquele sim
inteligentíssimo
sabia o russo
a matemática
as artes
a música de Mahler
(filha volta a encher o pote com Froot Loops)
Aquele sim
filho exemplar
Mas a morte não escolhe
Aleatoriamente levou
o meu melhor menino
E cá deixou-me vocês
(filho pega Froot Loops do pote da irmã e mastiga Froot Loops)
A morte leva tudo
consigo
e deixa-nos cá o pior
Froot Loops sem leite
onde já se viu.

— P. R. Cunha

Café da manhã

Preciso escrever todos os dias, para que o meu cérebro não atrofie. Como aquele maratonista que aos poucos aumenta as próprias quilometragens antes de correr para a Olimpíada.

(…)

Manhã, por volta das sete horas. Ele está sentado à mesa da cozinha, segura uma chávena de café, assopra o líquido quente que libera uma fumaça aromatizada. Ele respira a fumaça e olha para a esposa que está a comer torradas com geleia de amora. Ele não gosta do jeito que ela come as torradas com geleia de amora. Ela tampouco aprova o rosto imbecil do marido a cheirar o café daquela forma. Ela se levanta e finge pegar algo dentro de uma das gavetas embaixo da pia — só o fez porque já não aguentava mais ver as feições estúpidas do marido cheirando o maldito café. «Será que você poderia parar de cheirar o maldito café?», ela diz. Ele levanta o rosto: atordoado, sim, mas não de todo surpreso. Daí coloca lentamente a chávena sobre a mesa, enxuga a boca com um guardanapo, dobra o guardanapo. Ele se levanta sem dizer palavra, pega a chave do carro e sai. No caminho para o trabalho, ele se distrai com as imagens do que acabara de acontecer: o café, a torrada com geleia de amora, a reação intempestiva da esposa, o terrível tédio da inércia matrimonial. Quando finalmente volta as atenções para a pista, uma moça vestida com certa elegância esta a atravessar a rua e ele quase a atropela. A verdade é que ele não sabe, e também não teria como sabê-lo, mas a moça que ele quase atropelara acabou de ser promovida a gerente de vendas de uma montadora de automóveis. E essa é outra história.

— P. R. Cunha