A bailarina

Comentaram com a bailarina que a apresentação daquela noite, «Noite de Gala», como escreveram os jornais, teria uma plateia repleta de figuras importantes, dentre elas a mais importante sem dúvida era o excelentíssimo Diretor do Teatro. A bailarina, uma talentosa jovem do interior, não queria desperdiçar a oportunidade de impressionar e resolveu dar absolutamente tudo de si. Durante a apresentação, a plateia não podia crer na beleza e na desenvoltura dos movimentos que pairavam diante dos próprios olhos. A bailarina dançava com tanto entusiasmo que aos poucos os pés dilaceraram-se, o sangue a manchar-lhe a saia de tule a cada pirueta. No final do ato, exausta, confusa e desacordada, ela apenas se deixou cair ao palco. A plateia, muito antes de perceber a verdadeira gravidade da situação, aproveitou o momento deveras teatral e no mais profundo êxtase aplaudiu de pé a performance da bailarina.

— P. R. Cunha