Retrospectiva

It’s cold I’m afraid
It’s been like this for a day
The water is rising and slowly we’re dying
We won’t see a light again.
—  The Kursk

Segundo a machine-deep-learning-Spotify, Drinking songs do Matt Elliott foi o álbum que mais escutei durante os meses do já nostálgico 2019. Um pouco como entrar numa bebedeira sem a necessidade do bilhete etílico (mas tudo bem se estiveres acompanhado de um copinho ou outro). Os arranjos te levam ao longe, ao pub esquecido em falésia irlandesa, com o Atlântico a perder-se no horizonte anuviado. E depois tu voltas, um outro alguém. A mim me parece que é bem esta a função da arte, qualquer arte. Entornar, quebrar garrafas invisíveis, salvar-se do submarino à deriva. Voltar um outro alguém.

— P. R. Cunha