Grande piscina vazia

Total ausência de instrumentos convencionais. Nada plugado. Softwares, hardwares. Sentar para fazer música apenas quando surgir qualquer inspiração — difícil de definir «inspiração». Força motriz que impele/empurra/impulsiona. Motivo(s). Cansado de todas os trejeitos de músico: o músico perturbado, o músico avant-garde, o músico com a guitarra nos ombros a fazer pose de músico com a guitarra nos ombros, o músico que tem algo a contar, o músico que não tem nada a contar. Mexer nos teclados, perceber os sons que saem ao mexer nos teclados. Registros, consequências. Algo aproximadamente orgânico realizado numa máquina inorgânica. Contradizer-se, fechar-se, abrir-se. Distanciamentos. Música sem assinatura humana. O homem (i.e.: «eu») programa a música, a música segue por si mesma. Loopings, repetições, monotonias. Fumar um atabacado durante a gravação. Sentir o sabor do atabacado. Colagens. Recomeços. Inícios falsos. Falsos finais. Ser-não-ser músico. Músico falso. Músico ciborgue. Samples, recortes. Atmosferas. Neve. Emoções modernas. O vazio. A destruição. Amnésias. Ambient techno. Sem linguagem pré-definida. Reverberações, ecos. Beijar a Jessy antes de publicar a grande piscina vazia. Alienação: fuga, esconderijo. Refúgios.

— P. R. Cunha


Recomenda-se a utilização de auscultadores

Há umas três semanas resolvi resgatar projeto musical que estava numa espécie de limbo fonográfico. Chama-se Full Brass in Copacabana. Antes de dormir, quando silêncio, conecto instrumentos na placa de som Scarlett 2i2 que fica de prontidão no canto do meu quarto e gravo o que me der na veneta. Compartilho convosco a seguir um breve compilado demonstrativo com três faixas ainda um bocadinho cruas — sem os vocais da Kameni Kuhn e sem os sintetizadores do Bruno Sres.

Boa saúde a todos.

— P. R. Cunha


Ящик (Yashchik [box/caixa])

PORTUGUÊS

Apresento-lhes Ящик (Yashchik):

Voz, guitarra, sintetizadores / P. R. Cunha
Baixo / Vasily Vasilievich
Sintetizadores / Rafael Mnstr
Bateria / Kalogeropoulos Iraklis

Sítio web: www.yashchik.bandcamp.com

Gênero: sovietwave, post-punk, synth-pop, krautrock

Descrição: às vezes, um auditório vazio soa como um túmulo vazio.

ENGLISH

Ladies and gentlemen, Ящик (Yashchik):

Vocal, guitar, synths / P. R. Cunha
Bass / Vasily Vasilievich
Synths / Rafael Mnstr
Drums / Kalogeropoulos Iraklis

Website: www.yashchik.bandcamp.com

Genre: sovietwave, post-punk, synth-pop, krautrock

Description: sometimes an empty auditorium sounds like an empty grave.


РУССКИЙ

Я представляю вам группу Ящик:

Вокалист, электрогитара, синтезаторы / П. Р. Кунья
Бас / Василий Васильевич
Синтезаторы / Рафаэль Мнстр
Барабаны / Калогеропулос Ираклис

Интернет сайт: www.yashchik.bandcamp.com

Музыкальный жанр: совет-вейв, пост-панк, синти-поп, краутрок

Описание: иногда пустая аудитория звучит как пустая могила.


Processed with PICSPLAY

Retrospectiva

It’s cold I’m afraid
It’s been like this for a day
The water is rising and slowly we’re dying
We won’t see a light again.
—  The Kursk

Segundo a machine-deep-learning-Spotify, Drinking songs do Matt Elliott foi o álbum que mais escutei durante os meses do já nostálgico 2019. Um pouco como entrar numa bebedeira sem a necessidade do bilhete etílico (mas tudo bem se estiveres acompanhado de um copinho ou outro). Os arranjos te levam ao longe, ao pub esquecido em falésia irlandesa, com o Atlântico a perder-se no horizonte anuviado. E depois tu voltas, um outro alguém. A mim me parece que é bem esta a função da arte, qualquer arte. Entornar, quebrar garrafas invisíveis, salvar-se do submarino à deriva. Voltar um outro alguém.

— P. R. Cunha

Abrir janelas de um passado que nem é tão remoto assim

[…] E na passagem de som tocamos Abre a janela do cantor e compositor Beto Só, uma das canções que marcaram a minha juventude — principalmente na época em que eu tocava bateria na banda Disco Alto. 

Numa altura dos anos 2000, o Beto fez um concerto magnífico no antigo Gate’s Pub (hoje [vê lá como são as coisas] é uma loja que vende croissants com toda a sorte de recheios [sendo que o de estrogonofe pareceu-me um dos mais exóticos]), ele tocara Abre a janela acompanhado de um violoncelista e de repente vi-me com as lágrimas nos olhos porque aquilo era sem dúvida uma das coisas mais bonitas que eu já escutara. 

Esta é a nossa releitura da música do Beto, a que chamamos carinhosamente de Abre a janela (Botta Church Version [Beto Só cover]). A qualidade deixa um bocadinho a desejar, porque reverberações eclesiásticas captadas por um gravador distante, mas a homenagem a um dos artistas mais talentosos de Brasília é honesta e em alta definição.

— P. R. Cunha