Sonhos intranquilos

As corujas: elas atravessavam a fresta da janela e começavam a mordiscar o meu cérebro — que parecia-lhes um bocado apetitoso. Dias depois, era terça-feira, li que um monge do Monastério dos Sírios tivera sonho parecido, mas com o pássaro urutau, a ave-fantasma.

— P. R. Cunha

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s