Ruído vermelho

Ele acordou com o barulho das sirenes lá fora. Como que por reflexo, virou-se para o relógio com números digitais verdes: 3:42 AM.

A verdade é que ele nunca conseguia distinguir ao certo se eram sirenes da polícia ou da ambulância médica. 

Às vezes ele voltava a fechar os olhos bem depressa e concentrava-se o máximo que podia para perceber os últimos vestígios do efeito Doppler.

Barulho de sirene a desaparecer…

Ele imaginava perseguição de automóveis, algum criminoso hostil que acabara de fugir da penitenciária juntamente com outro bandido que dirigia uma espécie de carro esportivo retrô, conversível, tipo Lincoln Continental 1961, aquele em que o F. Kennedy fora assassinado. 

Nessa altura ele arriscava-se a pensar que eram sirenes da viatura policial. Só podiam ser.

Noutras vezes ele visualizava uma velha senhora a morar sozinha porque havia sido abandonada pela própria família, e levantara-se de madrugada para preparar sandes de fiambre com queijo, quem sabe também uma chávena de chá de hibisco, e a senhora descia as escadas com todo o cuidado do mundo, como se diz, até escorregar-se no estofo desencaixado do quinto degrau (contando de cima para baixo) e cair de cabeça ao soalhado.

O sangue a escorrer, essas coisas da praxe.

Daí ele dizia para si mesmo que eram as sirenes da ambulância.

Confortava-se ainda com a ideia de que foi imensa sorte os paramédicos terem, de alguma maneira, ido até ao apartamento da velha senhora para resgatá-la. Possui a vaga premissa de que a velha senhora tinha mandado instalar um daqueles dispositivos de segurança cujos comerciais mostram uma debilitada dama grisalha ao chão a dizer em inglês: I’ve fallen, and I can’t get up!

Ele perdera as contas de quantas vezes assistira a esse comercial na altura em que morava para New York City, época 1989/1990.

Intercâmbio estudantil, o estresse era muito.

Curioso notar, inclusive, que a namorada dele a dormir ao lado nunca teve assim um sono tão sensível e não acorda com as sirenes — quer sejam sirenes de polícia ou de ambulância médica.

— P. R. Cunha

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s