Gazeta Comunitária (ANO IV — Nº 28)

Esta quinta-feira, pelas 16 horas, realiza-se no campo local um desafio de futebol. (Regulamento para a disputa em futebol: as equipes precisam de jogar o jogo limpo, sem as falcatruas da praxe. Vamos lá, pelo menos uma vez, jogar o jogo limpo.)

Aconteceu na Rua 4 — o filho d’um vizinho, aproveitando-se da escuridão do crepúsculo, furtou jabuticabas do quintal do sr. Augusto Ayres, que por acaso estava à espreita na varanda dos próprios aposentos. O gatuno precoce, pressentindo o pior, saiu a correr com as jabuticabas dentro da camisola. Por conta do distraído procedimento de fuga, as frutas caíram-se quase todas ao chão. Perguntado depois se a furtadela valera a pena, o traquinas dissera que nem bem nem mal, as jabuticabas precisavam ainda de amadurecer mais um bocadito.

Aproximando-se o período das chuvas, torna-se necessário podar os galhos de árvores que porventura estejam perto dos cabos de eletricidade. Porque em vindo os ventos, e eles sempre vêm, as casas de certeza ficarão sem luz, e a sra. Miranda, como toda a gente sabe, não pode ficar sem assistir à novelinha das oito.

VENDEM-SE
¶ Duas capas de chuva Delta (padrão resgate)
¶ Um trator
¶ Uma impressora HP (avariada)
¶ Um cofre à prova de bala
¶ Três mesas tipo ministro
¶ Um secador de cabelo (em estado de novo)

Faz a venda Marina Almeida, nº 12 — facilita-se o pagamento/entregas em casa dos fregueses.

«Estamos novamente com as torneiras vazias!» No sábado próximo, faltará água nesta comunidade. Tal inconveniente, segundo nos parece, tem-se repetido muitas vezes nos últimos anos. 

A crise se chega a tudo.

Achados & perdidos: um nosso respeitável morador veio entregar-nos relógio de pulso de magnífica qualidade que encontrara ao parquinho dos miúdos. Devolve-se a quem apresentar provas cabíveis (marca do relógio, cor da pulseira, nota fiscal etcétera).

Ainda ontem o patrulheiro da comunidade teve de levar o sr. Miguel Saraiva Nunes, visivelmente embriago, às costas para casa. Feita a devida entrega, o pobre patrulheiro estava como um cacho. Essas e outras imagens podem ser analisadas à guarita, através do sistema CCTV.

Já não era sem tempo… Enfim deu-nos a honra da sua visita o distinto sr. prefeito, que encontrava-se para o estrangeiro a tratar de certos negócios. Ao ilustre desaparecido mais uma vez agradecemos a cortesia de lembrar-se daqueles que o elegeram.

Domingo, pelas 20 horas, realiza-se na praça da Rua 6 a já tradicional Festa de Culturas. O evento será acompanhado de projeções luminosas, marchinhas carnavalescas e outros números interessantes. Todos os moradores, como não podia deixar de ser, estão devidamente convidados.

— P. R. Cunha

One thought on “Gazeta Comunitária (ANO IV — Nº 28)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s