Arquiteto literário: modos de usar

Vê o caso dos contos. Como nasce uma narrativa breve, curta? (Penso nos contos porque embriões de [quase] todas as formas literárias [como diziam os antigos: o romance é lá um conto cujo final fora constantemente adiado pelo autor].) Então, repito, como nasce um conto? Estás a caminhar num país estrangeiro e escutas qualquer coisa exótica. De aí vêm cenas inusitadas à tua cabeça; trechos, recortes. Se colocas esses fragmentos numa folha de papel terás quem sabe uma promissora antologia de contos. Obviamente, quererás adicionar um ou outro adereço com viés fantasioso — o «gostava que tivesse sido assim». És também um arquiteto quando escreves o conto, percebes? Os parágrafos são as paredes da tua morada. Ainda dentro da analogia arquitetônica: o teu estilo tornar-se-á o paisagismo, a decoração interior. Há casas mais bonitas, outras mais feias. O leitor olha e reconhece. Isto é certinho.

— P. R. Cunha

Publicado por

P. R. Cunha

Escritor, fotógrafo & músico. Mora em Brasília e pretende ter em breve um cão chamado Sebald. É autor de «Paraquedas – um ensaio filosófico» — obra vencedora do Prémio Aldónio Gomes (Universidade de Aveiro). Atualmente, dedica-se às peças teatrais e ao manuscrito de «Sinfonia do fracasso».

11 opiniões sobre “Arquiteto literário: modos de usar”

    1. De certeza que estamos a tirar cenas do quotidiano (nosso ou de outrem) quando misturamos personagens à cabeça. E criamos padrões, linearidade. Tenta-se eliminar os supérfluos — ou escreve-se um Infinite Jest, ou um Ulysses, ou O homem sem qualidades com os supérfluos e tudo.

      De toda a forma, são ações humanas que ocorrem num determinado período de tempo — livros; vida.

      Desejo-lhe um ótimo fim-de-semana!,

      P.

      Gostar

    1. Miau,

      Sim, o editor seria o engenheiro: acréscimo excelente.

      Mas não podemos nos esquecer que há também engenheiros distraídos — desastrados — que por vezes não percebem nada de bulldozer e destroem, geram grande algazarra à obra.

      &tc.

      Gostar

      1. Ah..vou puxar a farinha p o meu lado. Rsrs Os arquitetos tb! Criam cada “maluquice” !(vanguardices, existe essa palavra?). E os engenheiros que se virem p executar. Rsrsrs E tb os serralheiros com esforço acrescentado, e os pedreiros e mestre de obras, e os canalizadores,…. Quem menos deve sofrer são os eletricistas com seus elementos flexíveis. Rsrsrs

        Liked by 1 person

        1. Hahahaha!

          Ganhei meu dia.

          Adoro essas intrigas à moda construção civil. Brasília é um ótimo sítio para tal desporto. Cada prédio «vanguardista» que o estômago embrulha — apetece ir à casa de banho mais próxima. E pode-se colocar o escritor com qualquer fantasia neste samba torto. Eis a beleza do enredo.

          Abraços elétricos,

          P.

          Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s