Caderno de viagem: outro prólogo (outra parte escrita num Fabienne Chapot [marketing and sales by New Edition Stationery BV — Netherlands] com folhas pautadas à moda escolar e motivos selvagens para a capa)

Como deve ler-se este caderno de viagem? Qual é a maneira mais apropriada de o ler? O autor do caderno sugere que ele devia ser lido de uma maneira — faz com as mãos como deve ser lido. Depois de apreciá-lo com a devida atenção, comentamos «sim!, sim!, agora compreendo, faz todo o sentido». Agradecemos com uma mesura desajeitada, rimos dos nossos modos teatrais. 

O viajante também conhece a filosofia de Wittgenstein. Importa-se imenso com a filosofia-Wittgenstein.

Podes ler o caderno de viagem uma primeira vez e achar profundamente tedioso, sofrível até; mas daí lê deste novo modo, de um modo que nunca imaginarias e dizes: ora!, que maravilha este caderno de viagem, brutal, agora gosto deste caderno de viagem etc. 

Estás a ler mais intensamente.

Como demonstrar que determinado autor de cadernos de viagem te agrada? Relê o autor várias vezes, consome o autor, ignora o autor quando for preciso, não sintas pena do autor.

O cidadão passa três breves dias em determinado país, volta e conta para os seus: conheci tal país. Vós sempre achastes isto curioso. Já Marco Polo esteve vinte seis anos na China e por vezes confessava: não conheço a China. Numa cidade como Lisboa, é preciso escolher, selecionar, é preciso ir para algum canto, explorá-lo, dar-se por satisfeito. Não podeis ter Lisboa toda para vós. Como dizia um ilustre antigo — é não estar em parte alguma em todo o lado estar.

Pôr por escrito os pensamentos de viagem, os aforismos de viagem, os trechos vagos que te assombram durante uma chuvosa noite em Aveiro. Escreves sobre a viagem como fosses salvar a sanidade de alguém. Provavelmente a tua própria sanidade.

É improvável imitar ipsis litteris a rota de outro viajante — as diferenças (ruas, estilo, temperatura [meteorologia de forma geral], profundidades, cores, linhas, pessoas etc.) são de imediato percebidas. Como dizia o teu avô: precisas criar os teus caminhos. 

Noutras palavras: o teu comboio vai para o outro lado. Tens uma certa emoção, queres tornar isto o mais claro possível — ao teu modo.

O tempo em Aveiro no período natalício: sol, chuva, ventos, sol, chuva, sol, ventos, chuva, ventos, sol. Uma escola de transitoriedade, as nuvens aveirenses ensinam-te que tudo passa. Nada é permanente. (Falar sobre as dificuldades de se trabalhar como meteorologista em Aveiro.)

Num passeio público junto ao Tejo, perto do Cais do Sodré, a ouvir a lamentosa sirene de um ferry que afasta-se para dentro do nevoeiro, ofereceram-te, em cinco ocasiões, sacolinhas de maconha. (…) A partir de então, decides ser mais cauteloso com a tua vestimenta.

É possível estar em Lisboa sem estar em Lisboa? Se lês os apontamentos lisboetas de Fernando Pessoa estás também a perambular pelas ladeiras, a ver as casas coloridas, estás a navegar o mesmo Tejo, a ouvir o fado — é possível viajar até às quintas portuguesas sem nunca aterrar em Portugal? Em que sítio estamos quando lemos os relatos do viajante, do observador? Cochilas com o Livro do desassossego ao colo e pensas para ti mesmo: onde é que me meti — onde nos metemos quando folheamos o Livro do desassossego? 

Ouves a respiração do poeta, estás numa aldeia distante. Não te apeteces voltar.

De início não pensavas muito em escrever sobre Lisboa, Évora, Sintra, Aveiro. Limitavas a observar e a entender a dicotomia que te ia na cabeça. Demoravas imenso tempo observando as gôndolas aveirenses com a ingênua crença de que poderias usar tudo aquilo que estavas a ver — tal e qual Funes, o memorioso de Borges.

Mas tu te esqueces, tu não te lembras de tudo.

Estás na Praça do Comércio, Lisboa. Atravessas o Arco da Rua Augusta. Estás rodeado de turistas, miúdos a falar o francês, o alemão, o espanhol, o russo, miúdos a correr loucamente atrás dos pombos bravos e modorrentos que comem as migalhas de um pastel de natas. Perguntas: ora, onde foram parar os portugueses? Não os vias por ali, isso era certinho.

— P. R. Cunha

Publicado por

P. R. Cunha

Mora em Brasília, Distrito Federal. Em 2009, estudou russo na cidade de São Petersburgo, cujas avenidas lhe serviram de cenários para os primeiros contos. Depois de terminar o curso de jornalismo, resolveu dedicar-se integralmente à fazenda literária. Além de romancista, é poeta, dramaturgo, fotógrafo e músico.

10 opiniões sobre “Caderno de viagem: outro prólogo (outra parte escrita num Fabienne Chapot [marketing and sales by New Edition Stationery BV — Netherlands] com folhas pautadas à moda escolar e motivos selvagens para a capa)”

  1. ”Num passeio público junto ao Tejo, perto do Cais do Sodré, a ouvir a lamentosa sirene de um ferry que afasta-se para dentro do nevoeiro, ofereceram-te, em cinco ocasiões, sacolinhas de maconha. (…) A partir de então, decides ser mais cauteloso com a tua vestimenta.”🤣🤣🤣O texto todo é incrível, essa parte em especial!

    Liked by 1 person

    1. Querida amiga,

      O Cabral de Melo Neto dissera certa vez que «escrever é estar no extremo de si mesmo». Eu cá acho imensamente recompensador que alguns dos meus extremos tenham-lhe proporcionado sorrisos natalícios.

      No mais: que as brincadeiras de bolso continuem em 2019.

      Boas festas!,

      P.

      Liked by 1 person

  2. O grande problema de Lisboa é estar a perder muitos dos que lhe dão alma, porque o dinheiro e o lucro falam mais alto.
    E andar na Baixa de Lisboa espelha essa realidade, por vezes de uma forma assustadora, porque ela passou a ser dos viajantes, dos tuc tuc, das selfies, da maconha (que dizem falsificada…), dos hotéis, hostais, airbnb’s e restaurantes por tudo o que é canto e recanto.
    Mas, felizmente, Lisboa é muito o Tejo e tudo o que gira em sua volta, a luz que reflecte ou as gaivotas que a sobrevoam. E é também a simpatia da maioria, a segurança que nos transmite e os lugares intimistas que ainda guarda em muitos bairros e com muita gente ainda genuína.
    Espero que consigam sobreviver…

    Liked by 2 people

    1. Dulce,

      Curiosamente, no meu último dia em Lisboa conversei com alguns lisboetas que demonstraram essas mesmas inquietações — o lucro desacerbado, o dinheiro, o facto de Portugal «estar na moda», essa onda de destino predileto na Europa etc. etc.

      Arriscar-me-ia a dizer que se trata de um desafio global — desafio global, como quase tudo nesses tempos modernos, não? Veja o caso de França, Inglaterra, mesmo países que historicamente adotavam posturas mais neutras (penso na Suíça) estão agora a mostrar os dentinhos da frente.

      Num contexto em que tudo é mercadoria, também estariam a comercializar o ser humano e as nossas respetivas práticas?

      Ir a Portugal fez-me reflectir imenso sobre isto tudo: como iremos viajar num futuro próximo, com tantas tecnologias, e possibilidades virtuais, e culturas que estão a se perder por conta da padronização à escala mundial, e espaços que antes definiam uma cidade, um país, agora estão a ser tomados por gentes que muitas vezes saem de casa já com a expetativa de que a terra estrangeira lhes servirá a mesma Coca-Cola de sempre, o mesmo McDonald’s de sempre, o mesmo Netflix de sempre?

      Permitir-se viajar (i.e.: se surpreender) tornar-se-ia uma prática de resistência?

      Mas divago…

      Gostar

  3. E divaga bem, o nosso escritor!
    Mas…
    …o bonequinho amarelo do Google Maps não transmite emoções, cheiro, paladares, vibração, detalhes, sentires de pele…
    Só no terreno, caminhando, isso é nosso e fica nosso. Por isso os turistas continuam e continuarão a chegar aos magotes e a invadir os espaços. Querem experiências fora do écran do smartfhone, mesmo não se desligando dele.
    Viajando, somos e seremos sempre surpreendidos na pele. A coca cola ou o MacDonald’s são apenas detalhes de uma rotina entranhada.

    Contudo, para que o essencial não se anule, julgo que o tempo levará à necessidade de controlar os fluxos turísticos. Mais cedo do que pensamos.

    Feliz 2019!

    Liked by 1 person

    1. Querida Dulce,

      Ouvir-lhe escrever (o paradoxo é intencional) sempre me enche de esperança: faz-me pensar que nem tudo está tão ruim, que as «notícias» podem até ter a pretensão de nos contar o que acontece «lá fora»; mas, ao fim e ao cabo, são pessoas como si — com sensibilidade, destreza, discernimento — que observam de verdade.

      Gostava de continuar a contar com a sua companhia-à-distância em 2019.

      E que possamos compartilhar ainda mais poesias, fotografias, palavras, sonhos, utopias.

      Abraços atlânticos para si,

      P.

      Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s