Cinema do Centro da Cidade

Um militar que depois de, como se diz, muitos anos de serviços prestados finalmente se aposentara e para não ficar, também como se diz, à toa decidira ir a todas as estreias de filmes ao assim chamado Cinema do Centro da Cidade. Não demorou para que o militar percebesse que o Cinema do Centro da Cidade era frequentado majoritariamente, cerca de setenta por cento, embora esse tipo de estimativa não seja lá muito simples de se fazer, frequentado majoritariamente por jovens que comem pipoca e manuseiam o telemóvel, principalmente às estreias que, como já se ressaltou, eram as sessões às quais o militar se dispusera a ir depois da própria aposentadoria. Como o barulho de pipoca e os ecrãs luminosos dos telemóveis o incomodassem sobremaneira, o militar decidira recrutar um promissor soldado para, devidamente dotado de rifle com mira, esconder-se nalgum canto da sala de cinema e atirar em qualquer pessoa que comesse pipoca, manuseasse telemóvel ou mesmo fizesse outro tipo de ruído que incomodasse a experiência cinematográfica do militar, que, diga-se de passagem, sempre ia às sessões fardado. Calhou de ser inverno aquando da primeira tentativa de se utilizar o soldado armado e — segundo os noticiários, que estranhamente não se excederam em minúcias — o militar andava acometido da gripe, de modo que, no momento em que o filme iniciou-se, foi ele o primeiro a espirrar, e o soldado, apenas seguindo ordens, como mais tarde justificar-se-ia num tribunal de pequenas causas, mirou o próprio rifle para a cabeça do baderneiro e apertara o gatilho com destreza. Ainda segundo os noticiários, essa sala do Cinema do Centro da Cidade tivera de ser desativada por tempo indeterminado, visto que até hoje não conseguiram remover completamente o sangue do militar que naturalmente se esparramara pelos assentos, além do cheiro ter se tornado, como eu mesmo pude averiguar depois, insuportável.

— P. R. Cunha

Publicado por

P. R. Cunha

Escritor, fotógrafo & músico. Mora em Brasília e pretende ter em breve um cão chamado Sebald. Vencedor do Concurso Nacional de Literatura «Prêmio Cidade de Belo Horizonte» 2012, com o livro de contos «Quando termina», escrito em coautoria com Paulo Paniago. Atualmente, dedica-se ao manuscrito de «O tumulto das nuvens».

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s