Mãe do ilustrador

O ilustrador permitia-se apenas desenhar e comentava mesmo com toda a gente que desenhava o dia inteiro. Isso porque a mãe dele, uma mulher rica, pagava-lhe por assim dizer uma mesada muito generosa. Como não precisava de trabalhar algures, o ilustrador só ilustrava e jamais se incomodou com o fato de ninguém comprar as ilustrações que produzia. Permitiu-se, portanto, ser um artista independente. Mas, como se sabe, as pessoas morrem. E quando a mãe do ilustrador caíra de um penhasco de duzentos metros — conforme o relato de testemunhas —, o ilustrador descobrira sem demora que ela havia deixado toda a herança para um jovem rapaz que conhecera aquando de uma viagem que fizera para Dublin, no outono de dois mil e quinze. Sem a mesada generosa da mãe, o ilustrador viu-se na obrigação de procurar emprego. E desde então não toca mais nas canetas e nos pincéis.

— P. R. Cunha

Publicado por

P. R. Cunha

Mora em Brasília, Distrito Federal. Em 2009, estudou russo na cidade de São Petersburgo, cujas avenidas lhe serviram de cenários para os primeiros contos. Depois de terminar o curso de jornalismo, resolveu dedicar-se integralmente à fazenda literária. Além de romancista, é poeta, dramaturgo, fotógrafo e músico.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s