E observa como é que as pessoas reagem a isso

Diz-se que numa tarde muito chuvosa um escritor de Brasília, que vivera muitos anos em Brasília, mas que, é preciso que se esclareça tudo aos mínimos detalhes, nascera em Niterói, de forma que talvez fosse melhor escrever escritor de Niterói que vive há muito em Brasília, ao invés de escritor de Brasília, que vivera muitos anos em Brasília mas que nascera em Niterói, esta introdução por certo grande demais, e que pode aborrecer e leitores — porque palavras desnecessárias — e as gentes da editora — porque gasto desnecessário de tinta tipográfica. Então diz-se que numa tarde muito chuvosa esse escritor niteroiense que foi viver para a capital federal, esse escritor muito distraído consigo mesmo escorregara e batera a cabeça num hidrante que, segundo o Correio Braziliense, era de cor amarela. E que após esse acidente que quase lhe tirou a vida, por muito pouco mesmo não o matara, o escritor que antes só escrevia no bom e velho português passara a criar as próprias narrativas no idioma russo — língua materna do bisavô, mas à qual nunca havia se dedicado. Tudo fica ainda mais estranho quando se descobre que esse escritor de Niterói e que se considera um pouco brasiliense porque vive em Brasília há trinta e dois anos, muitas vezes, inclusive, a se sentir mais brasiliense do que niteroiense, mas não estou aqui para ladainhas, tudo fica mais estranho quando se descobre que ele nunca fora publicado pelas casas editoras brasileiras quando lá escrevia em português. Porém, assim que terminou o primeiro livro em cirílico, resolveu enviá-lo para três editoras russas (duas em São Petersburgo e uma em Moscou). As três demonstraram interesse em publicá-lo. Tudo isto é muito curioso.

— P. R. Cunha

Publicado por

P. R. Cunha

Escritor, fotógrafo & músico. Mora em Brasília e pretende ter em breve um cão chamado Sebald. Ganhou o concurso literário Cidade de Belo Horizonte de 2012, com o livro «Quando termina», escrito em coautoria com Paulo Paniago. Atualmente, dedica-se ao manuscrito de «O tumulto das nuvens» e aguarda a publicação portuguesa de «Paraquedas – um ensaio filosófico» — obra vencedora do Prémio Aldónio Gomes (Universidade de Aveiro).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s